Palácio Rio Negro, um símbolo de poder dos “barões da borracha”

palacio-rio-negro-2

Símbolo da época áurea da borracha, o Palacete Scholz foi tombado como patrimônio histórico e transformado no Centro Cultural Palácio Rio Negro. Fotos: Tereza Cidade

Não bastava ser rico, era preciso ostentar. Assim era a vida dos “barões da borracha”, como se tornaram conhecidos os comerciantes que enriqueceram com a exploração do látex entre o final do século X e início do século XX em Manaus. Era o boom da borracha, quando a exploração do produto alcançou níveis espetaculares para a economia do Estado, sobretudo para os donos dos seringais e comerciantes.

Um dos comerciantes mais ricos foi o alemão Waldemar Scholz, dono da mais luxuosa residência que havia em Manaus naquele período. Conhecido como “Palacete de Scholz”, a casa fabulosa foi construída na avenida Sete de Setembro, onde hoje é o Centro de Manaus, em um terreno de mais de 4.700 metros quadrados

Com a queda do preço da borracha a partir de 1912 e depois com a 1ª Guerra Mundial, Scholz se viu obrigado a hipotecar e vender o imóvel para o coronel Luiz da Silva Gomes, que era seringalista e comerciante,  em 1911. Era o fim da vida ostentosa do alemão, que voltou para sua cidade natal, Hamburgo, onde faleceu, sem retornar mais a Manaus. Depois o prédio foi alugado e, em 1917, vendido para o Estado, na gestão do governador Pedro de Alcântara Bacellar, por 200 contos de réis, valor considerado muito alto para um Estado em crise financeira. O imóvel se transformou na residência e na sede do poder executivo estadual até 1995.

Reformada e revitalizada, a residência, localizada na avenida Sete de Setembro, foi transformada no Centro Cultural Palácio Rio Negro, em 1997, que fica aberto à visitação gratuita.

Assim como muitos prédios do período da “belle époque”, a casa de Waldemar Scholz seguia os ditames da moda arquitetônica da época. O original do imóvel foi mantido e revitalizado. Hoje, o centro é um espaço de exposições permanentes, que incluem bustos de autoridades públicas, quadros de artistas famosos, como Moacir Andrade e Branco e Silva, e fotografias penduradas no salão nobre de todos os governadores do Amazonas.

A programação inclui também atividades pontuais, com exposições temporárias, recitais de música erudita, lançamentos de obras literárias, conforme o cronograma do espaço.

palacio-rio-negro-01

O prédio foi construído entre 1900 e 1903, com 16 cômodos.

palacio-rio-negro-23

Detalhe da fachada, com as duas esculturas em ferro importadas da França.

palacio-rio-negro-1

A escadaria suspensa em madeira de lei.

palacio-rio-negro-3

Detalhe das estátuas que representam a música e a poesia.

palacio-rio-negro-4

Quadro “Imortalidade”, um óleo sobre tela de Branco e Silva, em comemoração aos 50 anos do Teatro Amazonas.

palacio-rio-negro-20

Sala de espera ou descanso.

palacio-rio-negro-22

O piso é todo feito em acapu e pau-amarelo, madeiras da Amazônia.

palacio-rio-negro-21

Estátua representando a meditação.

palacio-rio-negro-19

Exposição de pinturas em uma das salas do palacete.

Adentrar e visitar cada sala do Centro Cultural Palácio Rio Negro é mergulhar em uma das histórias mais fascinantes do Amazonas e, sobretudo, de Manaus. O espaço guarda quadros, mobílias antigas, incluindo três relógios suíços, poltronas, estantes. A maioria dos móveis é original. Um dos destaques é uma mesa de jacarandá de estilo inglês. Cadeirinhas de palha-de-índia também fazem parte do mobiliário. Há também uma sala de leitura, onde o visitante pode descansar.

O espaço possui dois andares e a visitação por ser guiada ou não. Na frente do prédio, em meio ao jardim, há uma estátua em bronze representado a Medusa, com serpentes entrelaçadas no cabelo e braço. Uma escadaria com duas entradas, com esculturas em ferro trazidas da França de um índio e uma índia com luminárias nas mãos, levam ao interior do prédio.

Ao entrar no espaço, o visitante se depara com um bela escada suspensa em madeira de lei, guardada por duas esculturas.

O acesso ao terceiro andar, onde existe um farol, está bloqueado devido à fragilidade de uma escadaria que, no entanto, permanece visível ao visitante.

Tombado como patrimônio histórico do Estado em 1980, o Palácio Rio Negro é integrado ao Parque Jefferson Péres, outra atração da cidade.

palacio-rio-negro-17

Varanda frontal do prédio.

palacio-rio-negro-15

Belo mobiliário em exposição

palacio-rio-negro-14

São várias salas com móveis de época

palacio-rio-negro-12

As famosas cadeiras de palhinhas.

palacio-rio-negro-11

Sala oficial do governador.

palacio-rio-negro-18

Painel com fotos de todos os governadores do Amazonas.

palacio-rio-negro-9

Mesas e cadeiras antigas

palacio-rio-negro-8

Grandes portas internas são uma característica da construção.

palacio-rio-negro-7

A beleza do mobiliário antigo.

palacio-rio-negro-6

Sala dos símbolos do Amazonas, como a bandeira e o brasão

palacio-rio-negro-10

Varanda na parte posterior do palacete.

palacio-rio-negro-5

O canto dos pássaros nas árvores cria um ambiente acolhedor e relaxante na parte de trás do palacete

palacio-rio-negro-25

Jardim que faz a ligação com o Parque Jefferson Péres.

palacio-rio-negro-16

Prédio para eventos, ao lado do Palácio Rio Negro.

 

Serviço:

Centro Cultural Palácio Rio Negro

End: Avenida Sete de Setembro, 1.546 – Centro

Dias e horário de visitação: terça a sexta-feira, das 8h às 14h;  sábados, das 9h às 13h.

Informações: (92) 3232-4450.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>