Roteiro de carro na Califórnia: a famosa Highway 1, de San Francisco a Los Angeles (2ª parte)

 

A Rocky Creek Bridge é uma das paisagens mais fotografadas do percurso.

O trecho mais bonito da highway 1 (veja aqui o post com o primeiro trecho da viagem), conhecido como Big Sur, fica entre Carmel b the sea e Santa Barbara. São 145 quilômetros de paisagens deslumbrantes, de uma beleza selvagem, com ondas batendo em penhascos, montanhas e belas enseadas. A maior parte da costa é protegida por parques estaduais e, por isso, não há cidades grandes nesse percurso. A natureza domina.

O primeiro ponto de parada, saindo da cidadezinha de Carmel by the Sea, é a Reserva Estadual Point Lobos, um  refúgio de diferentes mamíferos terrestres e marítimos. Mais de 300 espécies de plantas e 250 de pássaros e animais foram identificadas no local.

Nela você encontra colônias de leões marinhos, os moradores mais barulhentos do local. O latido rouco deles fez com que os marinheiros espanhóis se lembrassem de lobos e, por isso, batizaram o local de Punta de los Lobos Marinos, que deu origem ao nome da reserva – Point Lobos.

As lontras marinhas também são visitantes do parque, assim como as baleias cinzas da Califórnia, que podem ser avistadas entre o final de dezembro e janeiro e entre março e abril, quando fazem, respectivamente, o percurso de ida para reprodução e parto e de volta às águas congeladas do Ártico. Como fizemos a viagem em outubro, não vimos nem sinal de baleias.

Outro destaque da reserva são os bosques nativos de ciprestes de Monterey, que hoje são encontrados apenas na Península de Monterey, em Pebble Beach e em Point Lobos. Os ciprestes ainda vivos têm folhagem de um verde escuro e, depois de secos, ficam com uma silhueta contorcida de ramos. Nas trilhas, há várias espécies de plantas.

Depois de sair da reserva é hora de se deliciar com o show de beleza que a natureza oferece ao longo da estrada. Não faltam mirantes (point view)para isso e o percurso, que era para ser feito em poucas horas, acaba demorando bem mais. A Rocky Creek Bridge é uma das pontes famosas do caminho, com parada obrigatória para fotos, e, mais uns quilômetros à frente, surge a Bixby Creek Bridge, uma ponte em arco construída em 1932.

 

Veja fotos do Big Sur:

Ao longo da highway 1 sempre lindas paisagens.

As montanhas e o mar formam uma bela composição da natureza, enquanto os administradores da região tratam de melhorar cada vez mais a infraestrutura para atrair turistas do mundo inteiro.

Observe o mar batendo no rochedo e o traçado da estrada, teimosamente margeando o oceano Pacífico.

A reserva estadual Point Lobos, próximo à cidade de Carmel, é um agradável passeio

O parque é um refúgio para animais terrestres e marinhos.

Os leões marinhos descansando nos rochedos.

Mais um pouquinho de lindas paisagens…

 

 

 

Os mirantes são muitos ao longo do percurso, que deve ser feito sem pressa.

Na estrada há várias praias, mas águas do Pacífico são muito frias.

A Bibxy Creek Bridge, ponte com dois arcos, mostrando que o turismo “selvagem” não escapa da atenção da administração pública.

A colônia de elefantes marinhos virou atração turística.

Eles ficam estendidos na praia, preguiçosamente; os machos brigam pelo território

Tivemos que nos contentar em ver de longe o Hearst Castle…

beeem de longe!

Dois locais muito recomendados pela beleza, mas que não chegamos a conhecer foi a Pfeiffer Beach e o Pfeiffer Big Sur State Park. O Big Sur termina alguns quilômetros antes da cidade de San Simeon, que fica a caminho de Santa Barbara. A partir daí não há mais penhascos nem montanhas, a estrada fica plana e começam a aparecer centros urbanos. Antes de chegarmos a San Simeon, há um ponto de observação de uma colônia de leões marinhos que, claro, se transformou em atração turística.

Na vila de San Simeon fica o Hearst Castle, a mansão de propriedade do magnata da mídia William Randolph Hearst, que inspirou Orson Welles no filme Cidadão Kane.  Construída no alto de uma colina, a casa tem 165 cômodos e inúmeras obras de artes e é considerada um modelo do glamour dos anos de 1930 a 1940. Para muitos, é uma ode ao kistch. A casa faz parte de um parque nacional e há cinco tours guiados por dia.  Chegamos ao local por volta das 17h e ele abre das 8h às 16h, ou seja, isso virou boa desculpa para uma próxima vez.

 

Santa Barbara

Entre San Simeon e Santa Barbara começam a aparecer as primeiras videiras. Santa Barbara é uma das mais importantes regiões vinícolas dos Estados Unidos, famosa por  seus diversos microclimas e tipos de solo, que favorecem a produção de chardonnay, pinot noit e syrah.

A cidade praiana teve todo o seu centro devastado por um terremoto em 1925. Com a reconstrução, Santa Barbara ganhou uma homogeneidade no padrão arquitetônico,  que segue o estilo mediterrâneo, que dá um charme especial à cidade.

A influência espanhola está presente em várias partes. Boa parte das 21 missões fundadas pelos franciscanos nos Estados Unidos, entre os séculos 18 e 19, estão nesse trecho do Estado, a partir de Monterey. Santa Barbara Mission é a mais visitada delas. Fundada em 1786,  é a décima missão construída pelos espanhóis no país.

Santa Barbara tem um belo calçadão e uma praia bonita. No Stearns Wharf há restaurantes e os moradores aproveitam para pescar.

Em Santa Barbara, foi rodado o filme “Sideways”, que contribuiu para chamar a atenção do mundo para essa região vinícola e é considerado a maior propaganda da varietal Pinot Noir. O filme conta a história de Miles Raymond (Paul Giamatti), que é fascinado por vinhos e decide dar como presente de despedida de solteiro a Jack (Thomas Haden Church), seu melhor amigo, uma viagem pelas vinícolas do Vale de Santa Inez, na California. A partir daí, começam as aventuras dos dois amigos.

A região tem uma penca de importantes vinícolas e há um roteiro para quem quiser fazer o percurso do filme. Não chegamos a tanto. Nos contentamos em rodar pelas estradinhas dessa região e conhecemos apenas as vinícolas Kalyra, que aparece no filme, e a Fess Parker.

O calçadão em frente à praia em Santa Barbara.

Santa Barbara é considerada a “Rainha das Missões”.

Vinhedos da vinícola Kalyra, a poucos quilômetros da cidade de Santa Barbara.

A vinícola Fess Parker, no Vale de Santa Ynez.

 

Solvang, uma pitada da Europa

Antes de seguir viagem rumo a Los Angeles, decidimos conhecer Solvang, uma pequena cidade que é um pedaço da Dinamarca nos Estados Unidos. Ela fica a menos de uma hora de Santa Barbara e as casas reproduzem a arquitetura europeia, muitas no estilo enxaimel (com madeirame à vista). A atmosfera é muito agradável. O clima ajuda. As pessoas são parte da placidez característica das cidades do interior europeu.

Na rua principal, que se chama Kopenhagem, há muitas lojas e restaurantes.  Uma que chama a atenção é a Jule Hus, uma loja de artigos de Natal aberta o ano inteiro.

 

Fotos de Solvang:

 

De Santa Barbara a Los Angeles (150km)

A Highway 1 se estende até San Diego, quase fronteira com o México, mas nossa viagem por essa estrada lendária terminou em Los Angeles, a segunda maior cidade norte-americana, palco de Hollywood. De Santa Barbara a Los Angeles são cerca de 150 quilômetros. De Los Angeles a San Diego, 194km.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *