24/09/2020

Vila de Paricatuba: ruínas históricas, belas praias e mirante para o rio Negro

Vila de Paricatuba no Amazonas

As ruínas do casarão imponente, no centro da Vila de Paricatuba. Fotos: Tereza Cidade/Marcos Santos

Localizada a 30km de Manaus, às margens do rio Negro, no município de Iranduba, a Vila de Paricatuba resiste ao descaso do poder público. Apesar do abandono, o local continua a atrair visitantes que vão conhecer as ruínas de um casarão imponente do início do século, belas praias e ter uma visão privilegiada do rio Negro.

Ao chegar no local, o que chama primeiro a atenção são as ruínas do casarão do período da belle époque, no centro da vila. É cercado por árvores centenárias e tem as paredes cobertas de trepadeiras que criam desenhos inusitados. Há guias, que ficam em frente à construção, que contam a curiosa história do lugar, hoje muito procurado para cenário de books fotográficos.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Booking.com

Construído em 1898 para servir de alojamento para imigrantes, o prédio teve várias destinações ao longo dos anos. Foi sede do Instituto Afonso Pena, Liceu de Artes e Ofícios, cuja inauguração contou com a presença do então presidente Afonso Moreira Pena, em junho de 1906. Administrado por padres franceses. membros da comunidade aprendiam técnicas de marcenaria, construção civil e artes. Depois, chegou a funcionar como casa de detenção e, em seguida, foi transformado no hospital Belisário Pena, para atender e abrigar portadores de hanseníase. Funcionou como hospital por quase 40 anos, só fechando às portas quando foi construída a Colônia Antônio Aleixo. Na época, a população achava que os hansenianos estavam contaminando as águas do rio, levando a doença para Manaus.

O prédio era imponente e luxuoso, com janelas coloniais com piso em pinho de riga, paredes revestidas de azulejo portugueses e vasos de louça inglesa importados da Europa. Mas hoje, depois de anos de abandono, só resta a estrutura de alvenaria, invadida pelo mato e pelas raízes de apuizeiros.

Depois de visitar as ruínas, caminhe até o mirante da virgem, que mostra uma bela panorâmica do rio Negro com Manaus e a ponte Phelippe Daou ao fundo.

A Vila de Paricatuba foi classificada como Patrimônio Histórico Cultural Imaterial do Estado desde 2015. Seu nome deriva de “paricás”, erva alucinógena utilizada em rituais dos povos indígenas da região, e de “tuba”, grande quantidade.

 

Veja mais fotos da Vila de Paricatuba:

Fotos: Marcos Santos/Tereza Cidade

Vila de Paricatuba, em Iranduba

VIla de Paricatuba, no Amazonas

Capela da Vila de Paricatuba, no Amazonas.

Capela de Paricatuba.

Mirante da Vila de Paricatuba, no Amazonas

Mirante da Virgem.

Antiga fornalha que fornecia energia para a vila.

Foto antiga do casarão. Foto: No Amazonas é assim.

As praias de Paricatuba

A Vila de Paricatuba é cercada por belas praias banhadas pelo rio Negro. Confira:

 

Praia do Inglês

É uma praia particular, que fica no fim de um ramal localizado atrás das ruínas do casarão. O acesso à praia é descendo por uma escada de madeira improvisada. No local fica a residência dos proprietários, uma casa de madeira que funciona como bar.

Praia do Inglês, próxima às ruínas do casarão.

Praia de Paricatuba

Você pode vê-la a partir do mirante da Virgem, na Vila de Paricatuba. Na enchente fica totalmente submersa.

A praia de Paricatuba só fica aparente no período da seca.

Praia dos Restaurantes

É uma extensão da Praia de Paricatuba, mas ficou conhecida por esse nome pela quantidade de restaurantes instalados no local. A arquitetura é simples, do tipo palafitas (casas de madeira suspensas por troncos). Há pelo menos quatro, todos servindo comida regional, como peixes fritos e assados, além de bebidas.

Os restaurantes da praia funcionam em palafitas.

Praia do Lago

Ao chegar à Paricatuba pega-se o ramal que passa ao lado do Centro Cívico e da Igreja Católica, seguindo até a beira do rio. Lá é preciso fazer a travessia para a ilha em uma canoa, que custa R$ 4 (ida e volta). Na Praia do Lago há uma estrutura básica de serviços, com restaurantes e bares bem simples. Há mesinhas dispostas na beira da água.

Praia do Lago, em Paricatuba

Praia do Lago tem pequena infraestrutura de serviços. Foto: Tereza Cidade

 

Como chegar:

O acesso à Vila de Paricatuba é pela estrada Manoel Urbano (AM-070), passando pela Ponte Phelippe Daou, outro cartão postal da cidade. Você dirige até o KM-21 e quase em frente ao Restaurante do Bosco pega um ramal à direita, seguindo até a vila.

 

Vai viajar?

Reserve seu hotel agora no booking.com. Em alguns casos, a sua reserva pode ser cancelável (Confira as regras) - CLIQUE AQUI

Aluguel de carros no Brasil e no exterior - CLIQUE AQUI

Passagens aéreas e pacotes para sua viagem - CLIQUE AQUI

13 thoughts on “Vila de Paricatuba: ruínas históricas, belas praias e mirante para o rio Negro”

  1. Carlos Roberto Barbosa da Silva disse:

    Nasci em paricatuba me criei em Manaus atualmente moro na colônia Antônio Aleixo. Aprendi a amar e valorizar estes dois paraísos onde a natureza se faz presente.meu passatempo favorito remar e pescar ,vivo a natureza sempre .pois não tem refúgio melhor.

  2. Maria do Rosário de Lima Cavalcante disse:

    Tive a oportunidade de conhecer, na época, como hospital. Finalista de graduação em Enfermagem e fazendo estágio de Saúde Pública em S. Raimundo, fui convidada por Irmã Elisia ( se a memória ñ me falha) uma Enfermeira que trabalhava no Posto de Saúde do bairro e dava assistência aos pacientes. Fomos de barco, passamos o dia e voltamos no final da tarde. Minha impressão com tudo aquilo ñ foi nada boa. Até hoje lembro detalhes, um depósito …..que
    ñ me deixou apreciar a beleza descrita atualmente.
    Uma pena, pq todos que vão lá ficam encantados .

  3. Fernando Amora disse:

    Visitei a comunidade em fevereiro é a praia estava quase toda submersa mas mesmo assim me encantei com tudo, as ruinas, a paz reinante no local é a vista para o Rio Negro. Foi um passeio maravilhoso. Eu recomendo.

  4. Eliana Andrade disse:

    Ola, bom dia! Matéria bem interessante. Ainda não visitei o lugar, mas em breve farei. Eu gostaria de ter o contato do Carlos Roberto Barbosa da Silva e de Maria do Rosário de Lima Cavalcante que fizeram comentários acima. Por gentileza se virem essa mensagem entrar em contato com Eliana Andrade pelo e-mail [email protected]

  5. Paulo disse:

    Paricatuba muito lindo q pena que o poder público não serve pra nada, deveria ser um cartão postal do nosso Amazonas.
    Quantas belezas Paricatuba tem, sem palavras pra expressa.

  6. ARLENE MOTA ERMELINDO disse:

    Tive a oportunidade de conhecer esta vila recentemente, achei o lugar magnifico. Meus netos ficaram encantados com as ruínas. Tiraram muitas fotos para mostrar aos amiguinhos da escola. Fiquei fascinada com as paisagens. Quantas belezas tem neste lugar ainda desconhecido.

  7. Osmarina santos disse:

    Já fui várias vezes em Paricatuba com minha familia, o local muito bonito e fico com muita pena com o descaso total com o local. Um lindo cartão postal abandonado pelo poder publico e tambem pelos moradores. Aquela escadaria está se acabando, eu recomendo uma visita, quem vai se encanta.

  8. Jucilene Alves de Lima disse:

    Infelizmente nossos governantes pouco olham para esse paraíso, aqui temos história lembro de relatos de muitos e dos meus pais. Ainda curti minha infância nesse lugar foi aí que aprendi a nadar nesse imenso rio. Saudades agora me restou o canto dos pássaros, o cheiro de terra molhada o barulho das águas na pedra e esse verde que toma conta dessas ruínas. Aqui está histórias de muitos que sofreram e que vivem ainda um preconceito de certas pessoas .

  9. Jucilene Alves de Lima disse:

    Sou filha de pais que aqui fizeram parte dessaa história, mas me orgulho desse lugar mesmo sabendo das histórias tristes mas a natureza está intacta. O vento no alto das árvores o barulho das águas na pedra e as ruínas com suas raízes enterradas com todas as histórias

  10. Fredson Eduardo Maciel Marques disse:

    Fico muito triste quando ouço falar da Vila de Paricatuba,a história que tenho pra contar é triste e cruel.Minha vó Materna foi diagnosticada no ano de 1948 com Hanseníase e então foi internada a força no Hospital que na época chamado Belisário Pena.Meu pai na época com 3 anos foi arrancado dos braços da mãe, minha vó faleceu e o meu pai nunca mais a viu,e então ele também foi abandonado pelo meu avô,dessa maneira ele foi adotado por padres que abusaram dele durante toda a infância, hoje ele já tem 75 anos e toda vez que perguntamos se ele lembra da imagem da mãe ele diz que não.

    RESPOSTA
    Nossa, que história triste!

  11. Graça disse:

    Realmente história como essa tbm ouvi falar, minha avo materna tbm viveu nesse lugar porque era portadora da doença ,depois foi transferida para Colônia António Aleixo lembro que minha mãe me levava para vê as escondida das freiras que entravam dentro dos ônibus para ver se tinha crianças pq era proibido a entrada, mts vezes me escondi embaixo das cadeiras.

  12. Jone Uch^0a disse:

    Assim como as mais majestosas construções da Humanidade deixaram suntuosas ruinas das quais cuidamos e admiramos, a Amizade, fruto de um Amor de verdade, deve e merece ser preservada.

  13. Lucio godoy disse:

    Imponente , a única coisa a criticar e a falta de informacao com placas q não existem a única q fica na entrada da Vila está tampada por um papel colado , colocado tal vez por um deformado mental que envergonha nossa história .
    Paredes pixadas q deixam nossa história triste.
    Prefeitura de iranduba e uma vergonha vcs não preservarem nossa história.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *