20/07/2019

Palácio da Justiça, memória do Judiciário e ícone da arquitetura da Belle Époque

Centro Cultural Palácio da Justiça em Manaus. Foto: Tereza Cidade

O Centro Cultural Palácio da Justiça completa 119 anos este ano. Fotos: Tereza Cidade

Nem a vizinhança com o Teatro Amazonas, na avenida Eduardo Ribeiro, ofusca a beleza do Palácio da Justiça, um imponente prédio que foi construído há mais de 100 anos para ser a sede do poder Judiciário do Amazonas. Com a mudança deste para outro endereço, o prédio foi revitalizado e funciona desde 2006 como centro cultural, com exposições e atividades artístico-culturais.

No entanto, o esplendor do prédio, com objetos e mobílias originais que remontam à história da justiça do Amazonas, permanece.  O Centro Cultural Palácio da Justiça tem dois pisos e sua arquitetura é uma mistura de vários elementos arquitetônicos, como o renascentismo e neo-clássico.

Sua fachada foi projetada pelo arquiteto francês Charles Pyrouton e no alto do prédio tem uma estátua da deusa Themis, que personifica a justiça na cultura greco-romana. Possui portões de ferro fundido importados de Glasgow, na Escócia, e calçada e escadarias em pedra de Liós, de Lisboa.

Seu interior é rico em ornamentações. O teto do hall é revestido em estuques com paredes em imitação de mármore. A imponente escada principal tem guarda-corpo metálico, com arcos dourados com seis hermas ou cariátides, importadas de Lisboa. O piso do hall é de ladrilhos hidráulicos.

O segundo andar é decorado com balaustradas, tetos recobertos com estuques, colunas,  paredes marmorizadas e piso de madeira (acapu e pau-amarelo). A vista de suas janelas em arco é o Teatro Amazonas, localizando bem à frente, onde é possível ver com destaque a cúpula colorida do monumento.

A mobília é centenária. Destaca-se o relógio do tipo carrilhão, da década de 1920, com estrutura de jacarandá baiano e maquinário suíço. Tem também mesa feita de mogno, conjunto de mesas, cadeiras e espelho que vieram da última restauração, em 2002, além de móveis modernos, do funcionamento do Poder Judiciário até 2006, e lustre original feito de bronze e cristais.

Centro Cultural Palácio da Justiça. Foto: Tereza Cidade

O prédio do Palácio da Justiça é uma mistura de vários estilos arquitetônicos.

A rica ornamentação interna.

Na parede, homenagem à personalidades do Judiciário do Amazonas.

Exposição “Kyo-Ningyo – Bonecas do Japão”.

Exposição “Dioramas de Patrimônios Mundiais Japoneses”.

Mobiliário antigo pode se encontrado em diversas salas do prédio.

Auditório e cafeteria.

Exposição temporária de fotografias.

 

Exposições e história

A entrada nas salas do prédio remete o visitante à atividade judiciária que ocupava o local até um tempo atrás. Muitos dos gabinetes das autoridades judiciárias abrigam, hoje, exposições temporárias como “Kyo-Ningyo – Bonecas do Japão” e “Dioramas de Patrimônios Mundiais Japoneses”.

Tem-se a oportunidade de adentrar na sala do Tribunal do Júri e nas salas do julgamento da corte dos desembargadores. Em cada uma delas nota-se o ambiente ao mesmo tempo arejado e severo do que antes foi a atividade da mais alta corte judiciária do Estado. Permanecem as cadeiras em madeira onde se sentavam os jurados, a plateia, o juiz e os réus.

Uma sala com recortes de jornais dá uma mostra dos casos mais impactantes da história dos julgamentos no Amazonas. Caso o visitante queira saber algo mais sobre cada caso, os guias estão orientados a explicar.

Mas são as variadas atividades culturais a principal programação do espaço. As atividades são ecléticas, vão desde exposição a cursos e apresentações de música. A programação, contudo, acontece conforme o cronograma estabelecido pela Secretaria de Estado da Cultura do Amazonas (SEC). No dia da visita para este texto, o espaço da cafeteria não estava funcionando. Os guias afirmam que o funcionamento ocorre conforme as programações.

 

O segundo andar é decorado com balaustradas, tetos recobertos com estuques, colunas e paredes marmorizadas.

A imponente escadaria no hall de entrada.

A riqueza dos detalhes que compõem a decoração interna do prédio.

As cariátides (figuras femininas esculpidas) importadas de Lisboa.

Os corredores e o piso de madeira (acapu e pau-amarelo).

Museu do Crime.

Sala do Tribunal do Júri no Palácio da Justiça

Sala do Tribunal do Júri.

A vista dos fundos do Teatro Amazonas, com destaque para a cúpula do monumento.

 

Patrimônio Histórico

O Palácio da Justiça foi construído no governo Eduardo Ribeiro (1892-1896), integrando um conjunto de obras monumentais de modernização de Manaus, como o Teatro Amazonas. Foi inaugurado em 21 de abril de 1900 no governo do coronel José Cardoso Ramalho Júnior, portanto, completou este ano 119 anos.

É um dos principais exemplares da arquitetura clássica do período áureo da economia da borracha. O prédio foi tombado como Patrimônio Histórico e Artístico do Amazonas em 1980. Os nomes dados às salas que o compõe homenageiam personalidades ligadas à sua implantação e ao Poder Judiciário.

O Palácio da Justiça oferece visitas acompanhadas por guias bilíngues (inglês, espanhol e francês). Funciona de terça a sábado, das 9h às 17h, e aos domingos, das 9h às 14h. A entrada é gratuita.

 

 

Serviço

Centro Cultural Palácio da Justiça

Endereço: Avenida Eduardo Ribeiro, s/n, Centro.

Horário de visitação:Funciona de terça a sábado, das 9h às 17h, e aos domingos, das 9h às 14h. A entrada é gratuita.

Palácio da Justiça em Manaus

One thought on “Palácio da Justiça, memória do Judiciário e ícone da arquitetura da Belle Époque”

  1. Milca Gittens disse:

    EL arte y la Cultura enriquecem el espirrou del hombre. Son sitios y lugares que cuentame la história de nuestras Pueblo. De dónde veninos, quiénes somos y haçia ďonde vamos. La forma como un país conserva su recuerdo, manifesta su nível de cultura y crescimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *